geral

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011 09:19

BA 120 perigo constante com a presença de animais

Pela Lei, o dono de um animal solto na pista tem responsabilidade sobre ele. Se houver um acidente, ele pode responder a um inquérito.

A falta de acostamento faz com que os animais se alimentem muito próximo da pista

Presença de animais na pista pode ser mais uma daquelas situações que depois que acontece acidente alguém se refere à tragédia anunciada. Jumentos, cavalos, bois e outros animas são encontrados em todas as estradas brasileiras, mas em determinados trechos a quantidade parece ser maior. É o caso da BA 120 entre Conceição do Coité a Monte Santo, são 163 km de extensão e que exige muita atenção dos motoristas e motociclistas. Só no domingo em difrentes pontos foram encontrados 12 animais entre Nordestina e Santaluz.

No referido trecho, a maior concentração de animais é a partir do km 50, depois de Santaluz, o espaço que deveria ser para acostamento, existe o mato rasteiro muito próximo a faixa lateral o que pode pegar os motoristas de surpresa, principalmente nos finais de tarde quando a iluminação fica  mais complicada.

Situação como esta, o acidente pode ocorrer se tocar no animal ou tentar se livrar dele

Neste flagrante a equipe do CN fotografou o curto espaço entre o animal e uma van lotada de passageiros que retornavam de um bingo. A policia rodoviária estadual periodicamente realiza apreensões, porém este tipo de ação demora muito de acontecer e cada um precisa dirigir com atenção redobrada.

Pela Lei, o dono de um animal solto na pista tem responsabilidade sobre ele. Se houver um acidente, ele pode responder a um inquérito. Mas este responsável nunca é encontrado.

Portanto, caso aconteça um acidente com vítimas, seja por causa de um atropelamento ou porque o motorista tentou desviar do bicho e colidiu com outro veículo ou objeto fixo, quem responde legalmente pelo fato é o proprietário do animal.

Os policiais aconselham os motoristas que avistarem um animal na estrada a informarem o quanto antes as autoridades sobre o fato. Caso o bicho esteja bloqueando a via o certo é estacionar o veículo até que a ocorrência esteja resolvida. Se não for possível parar enquanto o animal não é retirado da estrada, é preferível ultrapassá-lo pelas costas. Isso porque caso é mais difícil que ele se assuste e avance em direção ao veículo. Além disso, as autoridades pedem para que os condutores nunca buzinem ou acionem o farol alto, pois isso também pode fazer com que o animal reaja inesperadamente, o que aumentaria a possibilidade de um acidente.

Aqui uma demonstração de perigo, motociclista passa entre três jumentos

As estradas situadas no interior dos municípios são as que mais tendem a ter animais de grande porte como cavalos e bois, ou até mesmo animais domésticos como cães e galinhas ao longo dos trajetos. Esses animais muitas vezes causam graves acidentes de motociclistas, que na maioria das vezes circulam em alta velocidade pelas estradas estreitas do interior, facilitando assim a ocorrência de acidentes. Vale lembrar que a velocidade máxima nestas estradas não pode exceder os 60 km/h.

No caso se uma das vitimas de um acidente que envolveu um animal na pista vier a entrar em óbito o proprietário do animal irá responder na justiça por homicídio culposo, ou seja,  quando o individuo tem a culpa, mas não tem a intenção de matar.

Por essa razão, a Associação dos Mototaxistas de Conceição do Coité (AMCC) estará, logo que a câmara retornar do recesso, pedido uma audiência publica para manifestar está situação, alegando que muitos profissionais estão com algum tipo de ferimento grave e a maioria dos acidentes ocorridos tanto no asfalto, quando nas estradas vicinais, os animais aparecem como um dos principais motivos.

Por: Raimundo Mascartenhas * texto e fotos



COMENTÁRIOS

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores, desta forma não representa a opinião do Calila Noticias. Contamos com o bom senso e educação dos nossos internautas. O Calila Noticia, poderá remover sem aviso prévio qualquer comentário que seja considerado ofensivo e contenha palavras de baixo calão.