colunas

quinta-feira, 07 de abril de 2011 09:30

O Maior Erro da Justiça Brasileira – Ângelo Almeida

Ele foi preso duas vezes, passou 19 anos no presídio, injustamente.   Marcos Mariano, preso duas vezes, passou 19 anos nos presídios brasileiros. A primeira vez, ele morava na mesma cidade do delinquente que a política procurava, e, pior, com o mesmo nome. O prenderam, ainda, ele dizendo – “sou inocente”. Mas, ao passar nos […]

Ele foi preso duas vezes, passou 19 anos no presídio, injustamente.

 

Marcos Mariano, preso duas vezes, passou 19 anos nos presídios brasileiros. A primeira vez, ele morava na mesma cidade do delinquente que a política procurava, e, pior, com o mesmo nome. O prenderam, ainda, ele dizendo – “sou inocente”. Mas, ao passar nos portões do presídio, ninguém mais acreditava nele. Os anos se passaram, e, o assassino confessa em público que ele tinha cometido o delito. O Juíz se desculpa em nome da lei, em público no Fórum, solta Marcos Mariano, e durante 6 anos, ele sofre todas as dores, angústias, humilhação, discriminação dentro daquele presídio. O Juíz, ainda, orienta Marco Mariano a mover uma Ação Pública contra o Estado, mas, como falara Marcos, – “eu era ainda jovem, tinha minha família pra cuidar, estava sadio, e se Jesus não teve pecado, ainda assim, o crucificaram, e perdoou àqueles que o maltrataram, então, eu também perdoi Juízes e os Policiais”.

Mas, infelizmente, com 1 ano depois em liberdade, em uma blitz, novamente Marcos é confundido com um assaltante, por coincidência, novamente, ele tinha o mesmo nome daquele segundo delinquente. Entretanto, não examinaram o nome dos pais de Marcos Mariano, e, não teriam, novamente, errado. Prenderam Marcos, levaram, novamente ao Presídio. Agora, entra em sintomas de turberculose, passa, mais 12 anos, na cadeia, fica cego, devido a maus tratos e fungos da cela onde vivia. Porém, certo dia, o Tribunal de Justiça faz uma revisão dos processos, e encontraram um processo onde o marginal já tinha óbito, mas, tinha na prisão um preso com o mesmo nome daquele morto. Ao analisar a situação, descobriram, mais uma vez, uma injustiça, o preso Marco Mariano, fora chamado, pela segunda vez, ao Juíz que devolve a sua liberdade, entretanto, agora ele saíra do Presídio, escoltado pelo Advogado daquela própria Instituição.

Mas, devidos as sequelas de tuberculose, cegueira dos dois olhos, onde caminhava quiado por um dos seus filhos ou sua esposa, move uma Ação Contra o Estrado, justamente solicitando reparos a Justiça Brasileira. Entretanto, ele não recebera o valor solicitado integralmente, porque, a própria Justiça juntamente com seus Procuradores recoreram do valor, achando alto demais.

Esse é um caso, que levo, em minha vida como exemplo de superação. Marco Mariano é um herói brasileiro, até hoje, oculto, vive sem as câmaras das TV´s, nem dos microfones das Rádios. Ele, ensinou pra muitos de nós, que reclamamos, murmuramos da vida com situações, as quais, achamos desagradáveis, porém, ele nos ensinou a superar. O que analiso sobre este homem é o sentimento de “liberar perdão” perante aqueles que o maltrataram, discriminaram e execraram seus anos de vida. Ele, tinha sua consciência sobre o domínio do “perdão”, ele, soube dormir com a consciência limpa, sem aquela voz de intimação no oculto das noites dormidas naquele Presídio.

Seja um exemplo pra muitos de nós, que, possamos entender que – muitos dariam muito pra está em nosso lugar. As vezes, reclamamos de barriga cheia, em outros casos, fazemos tempestades em copo d’água, ou, colocamos chifres na cabeça de cavalo. Devemos aprender a viver, apreciar melhor a vida ao nosso derredor, visualizando que – muito dariam muito pra está em nosso lugar.

Ângelo Almeida, Cantor gospel, Teólogo, visite o site www.angelogospel.com.br



COMENTÁRIOS

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores, desta forma não representa a opinião do Calila Noticias. Contamos com o bom senso e educação dos nossos internautas. O Calila Noticia, poderá remover sem aviso prévio qualquer comentário que seja considerado ofensivo e contenha palavras de baixo calão.