jacobina

terça-feira, 05 de julho de 2011 10:02

Começam os trabalhos de mapeamento de riscos em Jacobina

Os trabalhos irão prosseguir até a finalização da primeira etapa, que é o reconhecimento das localidades. A segunda etapa compreende o estudo geológico destas áreas.

Na última terça-feira, 05, atendendo solicitação da prefeita de Jacobina, Valdice Castro, equipe da CPRM-Companhia de Pesquisas de Recursos Minerais, instituição ligada ao Ministério de Minas e Energia, começaram os trabalhos para composição do Mapa de Riscos da sede do município.

Os Geólogos visitaram durante todo o dia, os bairros considerados como áreas de riscos. As encostas de várias ruas do bairro da Bananeira, Rua Paulo de Tarso e Serra Dourada entre outras foram mapeadas.

A equipe ainda percorreu o bairro da Grotinha, Avenida Paulo Souto, encostas do Hotel Serra do Ouro, fundo do bairro Nazaré, Rua do Britador, Ruas do Pará, Paraíba e Otacílio Souza, no bairro da Serrinha, bairros Santo Antônio, Jacobina III e Mundo Novo.
No Leader, onde as cheias provocam danos constantes, a equipe se deteve nas Ruas Santo Inácio, Alto Bonito, Rua Santa Terezinha e Riacho do Judeu.

Os trabalhos irão prosseguir até a finalização da primeira etapa, que é o reconhecimento das localidades. A segunda etapa compreende o estudo geológico destas áreas.

Na terceira espata será a vez da equipe de engenharia de riscos entrarem em campo com base no mapeamento da primeira equipe.
Logo após e tão somente, uma terceira equipe composta de engenheiros civis, arquitetos e urbanistas começarão a idealizar o projeto que contemplará encostas, contenções, taludes e outros itens necessários à segurança das localidades.  A última etapa será a construção de um Plano de Contingência envolvendo Defesa e sociedade civil, organismos públicos e população em geral.

Segundo a Geóloga da CPRM, Cristiane Neres Silva “O mapeamento de riscos não é algo que se construa da noite para o dia e muito menos com uma só equipe. Este trabalho é multidisciplinar. Aqui em Jacobina além das equipes normais para este tipo de estudo ainda teremos a necessidade de especialistas para estudos de impacto ambiental, que irá tratar das questões dos rios e de Assistentes Sociais, que irão determinar os níveis de intervenções que serão possíveis, e  os quais o município poderá arcar, tipo remoção de pessoas para unidades habitacionais seguras e assim por diante” conclui.

Um outro ponto importante destacado pela Geóloga é quanto ao envolvimento da população, em especial quando forem convocadas as audiências públicas e as palestras para a comunidade.

Estes instrumentos visam preparar a sociedade para medidas de impacto, se necessário em caso de decretação de situação de emergência e execução do Plano de Contingência.

É sempre bom lembrar que o Mapeamento de Riscos é algo recente. A Lei 12.340 que disciplina a matéria é de Dezembro de 2010.
Jacobina saiu na frente dos demais municípios baianos, à exceção da capital, e provocou com isso a realização de um curso de capacitação sobre o tema para servidores públicos dos municípios baianos, ministrado pela CPRM, a ser realizado de 08 a 12 de Agosto em Salvador.

Por: Noedson Ney



COMENTÁRIOS

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores, desta forma não representa a opinião do Calila Noticias. Contamos com o bom senso e educação dos nossos internautas. O Calila Noticia, poderá remover sem aviso prévio qualquer comentário que seja considerado ofensivo e contenha palavras de baixo calão.