educacao

terça-feira, 29 de outubro de 2013 14:25

Prova com palavrão em tirinha da Mônica é aplicada para alunos da 4ª série

Questão foi aplicada em atividade para alunos da 4ª série de uma escola de ensino fundamental

Uma questão de prova chocou mães de alunos da Escola Luiza Batista de Souza, em Rio Branco. Crianças da 4ª série do Ensino Fundamental receberam uma atividade das mãos da professora Francisca Ermelinda, de 50 anos. Até então, tudo normal. O que chamou a atenção é que uma das questões tinha a ilustração de uma tirinha da Turma Mônica com um palavrão, que gerou questionamentos entre os pais das crianças.

Na questão, a imagem mostra os personagens Cebolinha e Magali pedindo uma pipoca.
– Eu quelo um saco de pipoca — pede Cebolinha.
– E a garotinha? — pergunta o pipoqueiro.
– Uma pica! — responde Magali.

RTEmagicC_117d40fd85.jpgA escola garante que foi apenas um erro de digitação que ocorreu na hora da elaboração das provas, mas nega que a professora tenha tido maldade na hora do erro.

Uma das mães de aluno, a economista Efigênia Ferreira, de 36 anos, ficou horrorizada quando o seu filho chegou em casa e mostrou a prova. “Eu expliquei que no linguajar popular a expressão é usada como um termo pejorativo do órgão masculino. Porém, ela [a professora] disse que a maldade está na cabeça do adulto e não da criança e que isso não era um palavrão”, explicou ao G1 Acre.

De acordo com Efigênia, o fato não gerou apenas polêmica, mas também causou muito constrangimento durante uma reunião de pais e mestres. O assunto começou a ser debatido após o pai de um aluno questionar o uso do palavrão na prova destinada a crianças. “A professora disse que tinha elaborado as provas, mas que a coordenadora tinha visto e não via nenhum problema na palavra”, garantiu.

A economista chegou a tentar analisar a prova e tentou verificar qual seria o sentido positivo do uso da palavra, mas não chegou a nenhuma conclusão. A mãe de aluno disse ainda que o seu filho contou que colegas fizeram alertas à professora para uma ‘imoralidade na prova’, mas a professora negou que a atividade tivesse algum termo maldoso.

Como protesto, Efigênia decidiu postar a foto da prova em uma rede social. “Meu procedimento agora é ir até a escola e saber o que aconteceu, se realmente a coordenadora viu essa prova e deu o aval, pois nem na prova de vestibular acontece isso”, explicou.

Tirinha original

A professora Francisca Ermelinda, que dá aulas há 26 anos, contou que houve um erro da secretária ao digitalizar a prova. Segundo ela, a tirinha original diz que a personagem Magali responde “o que sobrar”. “No rascunho era outra expressão, aí a moça que elabora a prova puxou a tirinha da internet e não percebeu que ela estava com a expressão errada”, defendeu.

A professora garantiu ainda que nenhum aluno reclamou no momento em que recebeu a prova. “Quando a gente recebeu a prova, vi a expressão e não achei maldade nenhuma. A gente trabalha com as crianças para tirar a maldade, esse mal pensamento, essa coisa ruim do pensamento deles”, reclamou.

A coordenadora pedagógica do colégio, Jorgineide Santos Jacinto, revisou a prova antes de ser aplicada, mas garantiu não ter notado o erro, já que imaginou que se tratava de uma questão de interpretação o uso da palavra era intencional. “Quando peguei a prova, não tive acesso à expressão original. Eu olhei e vi a palavra como a omissão da sigla pipoca. Precisamos ter mais cuidado, ver o ponto de vista do pai. A professora não pode ser prejudicada, foi uma modificação feita aqui”, comentou.

O caso será encaminhado para a Secretaria Estadual de Educação (SEE) e ao Conselho Escolar. A responsável pela denúncia foi a vereadora Eliane Sinhasique (PMDB-AC), que tomou conhecimento da situação e desaprovou.

Com informações do Correio*



COMENTÁRIOS

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores, desta forma não representa a opinião do Calila Noticias. Contamos com o bom senso e educação dos nossos internautas. O Calila Noticia, poderá remover sem aviso prévio qualquer comentário que seja considerado ofensivo e contenha palavras de baixo calão.