bahia

quarta-feira, 04 de junho de 2014 15:30

Após pagamento de fiança, Marco Prisco é solto e retorna a Salvador

O ministro considera que não há necessidade de conceder liminar para revogar a decisão e diz que o caso será analisado depois que o magistrado for ouvido.

Marco Prisco foi solto na madrugada de quarta-feira (4) depois que os advogados do vereador pagaram a fiança do parlamentar no valor de R$ 21.720. De chinelo e bermuda, Prisco deixou Complexo Penitenciário da Papuda, no Distrito Federal, onde foi preso no dia 18 de abril, um dia após o fim da greve da Polícia Militar no estado.

Prisco foi solto por volta das 2h, acompanhado por seus advogados. Ele deve retornar para Salvador ainda hoje. Agora, Prisco não poderá sair da capital baiana sem autorização prévia e ainda vai ter que usar uma tornozeleira de monitoramento eletrônico. Além disso, ele está proibido de ter contato com pessoas ligadas às associações de PMs e de frequentar quartéis.

 

Nesta terça-feira (04), o ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), indeferiu a liminar impetrada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Junot,  contra a decisão do juiz da 17ª Vara Federal da Justiça baiana, que revogou a prisão de Marco Prisco. O vereador responde ação penal por atos que teria praticado durante a greve da PM em 2012, seguindo a Lei de Segurança Nacional.

 

Janot defendia em sua liminar que o juiz federal que revogou a prisão não poderia ter tomado a decisão. Ele disse ainda que a liberdade do vereador é uma “contínua ameaça à coletividade”, citando a participação dele na greve da PM de 2014. Mas o ministro Lewandowski optou por manter a decisão do magistrado da Bahia. O ministro considera que não há necessidade de conceder liminar para revogar a decisão e diz que o caso será analisado depois que o magistrado for ouvido.

 

Advogados juntaram dinheiro

Os advogados de Prisco ratearam o valor de R$ 21.720 e pagaram a fiança do parlamentar. O diretor jurídico da Associação de Policiais e Bombeiros e de seus Familiares do Estado da Bahia (Aspra), Fábio Brito, informou que a decisão de dividir o valor da fiança foi tomada pelos próprios advogados.

 

“Prisco está sem receber salário, pois pediu licença da Câmara Municipal. As contas das entidades de classe também  foram bloqueadas pelo governador. Por conta disso, os advogados decidiram dividir igualmente o valor cobrado e fazer um empréstimo para pagar a fiança”, explica.

 

Brito disse, ainda, que a campanha feita para arrecadar o valor da multa está encerrada e foi feita para pagar aos advogados.”Policiais, deputados, vereadores, todos que estão engajados nessa luta contribuíram com alguma quantia. Mas já encerramos a campanha, pois já conseguimos o  valor da fiança”.



COMENTÁRIOS

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores, desta forma não representa a opinião do Calila Noticias. Contamos com o bom senso e educação dos nossos internautas. O Calila Noticia, poderá remover sem aviso prévio qualquer comentário que seja considerado ofensivo e contenha palavras de baixo calão.