mundo

segunda-feira, 21 de março de 2016 10:58

Cuba: Raúl Castro volta a pedir fim do embargo em reunião histórica com Obama

Para Obama, tema depende em parte de conversas sobre direitos humanos.

obama-raul5

O presidente cubano Raúl Castro voltou a pedir nesta segunda-feira (21) o levantamento do embargo econômico imposto à Cuba durante reunião histórica com o presidente americano Barack Obama no Palácio da Revolução, em Havana. Obama, que defende o fim das restrições, disse que isso depende em parte de conversas sobre os direitos humanos dentro de Cuba.

Após o encontro, durante coletiva de imprensa conjunta, Castro saudou as iniciativas tomadas até agora para a normalização das relações entre os dois países, mas disse que elas não são “suficientes”. Segundo ele, o embargo econômico vigente desde 1962 e a presença americana na Baía de Guantánamo continuam sendo “obstáculos” para a normalização das relações entre EUA e Cuba.

“Reconhecemos a posição do Obama e de seu governo ante o bloqueio e seus reiterados pedidos ao Congresso para que o elimine. As últimas medidas (de alívio ao embargo, decididas por Obama) são positivas, mas não suficientes”, acrescentou.

O fim do embargo, que depende do Congresso norte-americano, já foi defendido tanto por Castro como por Obama desde que os dois países anunciaram a reaproximação.

Nesta entrevista desta segunda, Obama disse acreditar que o Congresso tem “crescente interesse” ao fim do embargo e que dois fatores podem acelerar o processo de levantamento: as vantagens que virão das mudanças feitas até agora e a discussão sobre os direitos humanos na ilha.

No entanto, Castro disse que não é correto “politizar” o tema dos direitos humanos e que “nenhum país do mundo” preenche todos os requisitos internacionais para os direitos humanos.

Segundo Obama, as “sérias discordâncias” sobre direitos humanos e democracia são um “impedimento” para o fortalecimento dos laços entre os dois países.

O presidente americano disse que os EUA estão sendo “agressivos” em exercer flexibilidade nas relações com Cuba, uma vez que a lei sobre o embargo à ilha ainda não foi abolida pelo Congresso.

“O embargo vai acabar. Quando, não estou inteiramente certo. Mas acredito que ele vai acabar e o caminho no qual estamos vai continuar além da minha administração”, disse Obama, que encerra seu mandato no fim, deste ano.

G1.com



COMENTÁRIOS

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores, desta forma não representa a opinião do Calila Noticias. Contamos com o bom senso e educação dos nossos internautas. O Calila Noticia, poderá remover sem aviso prévio qualquer comentário que seja considerado ofensivo e contenha palavras de baixo calão.