brasil

segunda-feira, 07 de março de 2016 14:44

Oposição vai concentrar esforços para retomar o processo de impeachment

Os deputados esperam que o Supremo publique o acórdão do julgamento do rito do impeachment o quanto antes, para que a comissão possa ser instalada na Câmara.

Depois de uma semana de notícias arrasadoras para o governo da presidente Dilma Rousseff, a oposição vai concentrar esforços para retomar o processo de impeachment na Câmara dos Deputados. Além de obstruir votações no plenário até que o presidente Eduardo Cunha (PMDB-RJ instale a comissão que vai analisar o processo, um grupo de deputados pediu uma audiência com o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Ricardo Lewandowski, para falar sobre o assunto.

Os deputados esperam que o Supremo publique o acórdão do julgamento do rito do impeachment o quanto antes, para que a comissão possa ser instalada na Câmara. A expectativa é que isso aconteça já na terça-feira, 8, mas a Corte ainda terá que julgar os recursos apresentados por Cunha contestando a decisão.

Mesmo à mercê do ritmo que será adotado pelos ministros do STF, a avaliação de líderes de partidos como o PSDB e o DEM é que a oposição não pode desperdiçar esse momento de fragilidade do governo e precisa agir unida para levar a discussão sobre o afastamento de Dilma ao plenário.

A delação premiada do ex-líder do governo Delcídio Amaral (PT-MS), que deve ser homologada nos próximos dias pelo Supremo, é considerada o ponto central para dar impulso ao processo de afastamento da petista. A oposição vai pedir que as informações que já circularam, especialmente a de que a presidente teria atuado para interferir nas investigações da Operação Lava Jato, sejam incorporadas tanto ao processo de impeachment na Câmara quanto à ação que pede a cassação do mandato de Dilma no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Os parlamentares da oposição também apostam na manifestação contra o governo, marcada para o próximo domingo, 13, como catalisador do processo. A expectativa é que os protestos reúnam um expressivo número de pessoas em todo o País e deixe comprovado que a tese do impeachment tem apoio popular.

“A oposição está toda mobilizada. Não há dúvida que tanto o processo do impeachment quanto a ação do TSE ganharam força”, disse o deputado Antonio Imbassahy (BA), líder do PSDB na Câmara. Apesar de considerarem que o fato de o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ter sido alvo da 24ª fase da Operação Lava Jato desgastou ainda mais o governo, a estratégia vai ser deixar o caso de lado e tratá-lo como um “caso de polícia”.

A avaliação é que Lula conseguiu emplacar o discurso de vítima após o mandado de condução coercitiva que o obrigou a prestar depoimento e que esse sentimento poderia influenciar no andamento do processo de afastamento de Dilma.

“A estratégia é colocar o processo do impeachment para rodar logo. O Lula é um problema da polícia”, disse o líder do DEM na Câmara, Pauderney Avelino (AM). O líder descartou a votação de qualquer matéria que ajude a economia nos próximos dias mesmo com os pedidos do ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, em meio à crise econômica. “Sem chance de votar qualquer medida econômica agora. Temos uma questão mais urgente”, afirmou.

Correio24H



COMENTÁRIOS

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores, desta forma não representa a opinião do Calila Noticias. Contamos com o bom senso e educação dos nossos internautas. O Calila Noticia, poderá remover sem aviso prévio qualquer comentário que seja considerado ofensivo e contenha palavras de baixo calão.