bahia

sexta-feira, 15 de abril de 2016 13:42

Bancária é presa suspeita de desvio superior a R$ 450 mil de correntistas

Homem também atuava acessando dados de clientes de forma fraudulenta.

Uma funcionária do Banco do Brasil, de 28 anos, foi presa na Bahia por suspeita de desviar mais de R$ 450 mil de correntistas do Banco do Brasil durante golpes praticados junto com um comparsa em diversos estados. Segundo informações da Polícia Civil, divulgadas nesta sexta-feira (15), os dois fazem parte de uma quadrilha de estelionatários. A mulher foi presa, na quinta-feira (14), por investigadores do Departamento de Crimes Contra o Patrimônio (DCCP), em Salvador.

A polícia aponta que os recursos desviados de cada conta variavam entre R$ 30 e R$ 50 mil. O G1entrou em contato com o banco, que ficou de se posicionar por meio de comunicado a respeito das investigações ainda nesta sexta-feira.

Os dois vão responder por furto mediante fraude, associação criminosa e invasão de dispositivo informático com o objetivo de captar informação sigilosa para desvio de recursos. A dupla está sob custódia no Núcleo de Prisão em Flagrante (NPF), na capital baiana. A polícia diz que ainda busca identificar os outros quatro integrantes da quadrilha.

Segundo a delegada Glória Isabel Santos Ramos, a mulher é servidora concursada do banco há oito anos. Ainda conforme a polícia, ela trabalhava em uma agência em Recife (PE), mas estava afastada de suas funções por 30 dias e respondia a um Processo Administrativo Disciplinar (PAD), dentro da empresa.

Segundo detalha a Polícia Civil, o banco registrou o acesso da suspeita a contas correntes onde, depois foram percebidos desvios de recursos. A investigação conduzida pelo Departamento de Crimes Contra o Patrimônio aponta que a bancária também acessava contas de clientes utilizando login e senha de colegas, sem que eles soubessem.

A funcionária visitou agências na Bahia, Ceará, Paraíba e Rio Grande do Norte, onde se apresentava como funcionária do banco e solicitava aos colegas que verificassem seu saldo. Enquanto o servidor digitava seu login e senha, ela copiava os dados e os utilizava para desviar valores. A Polícia Civil diz que o comparsa da mulher usava a mesma estratégia e se apresentava como funcionário utilizando um crachá falsificado, fornecido pela mulher.

G1.com



COMENTÁRIOS

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores, desta forma não representa a opinião do Calila Noticias. Contamos com o bom senso e educação dos nossos internautas. O Calila Noticia, poderá remover sem aviso prévio qualquer comentário que seja considerado ofensivo e contenha palavras de baixo calão.