bahia

domingo, 04 de setembro de 2016 18:12

Coité – Corpos de evangélicos mortos em acidente na BA 411 são sepultados em Salgadália

O corpo da 4ª vítima do mesmo acidente também foi sepultado na manhã deste domingo no centro da cidade

Igreja Assembleia de Deus de Salgadália | Foto: Raimundo Mascarenhas

Igreja Assembleia de Deus de Salgadália | Foto: Raimundo Mascarenhas

A população de Salgadália, distrito distante 17 km da sede do município de Conceição do Coité,  de maneira especial a comunidade evangélica, se despediu na manhã deste domingo, 04, de Miguel Junqueira dos Santos, 57 anos, seu filho Jorge de Santana Santos, e Antônia Alaizes de Oliveira, 76 anos (sogra de Jorge), mortos na noite de sexta-feira,02, numa violenta colisão na BA 411 trecho Povoado de Serrote/Distrito de Salgadália, envolvendo o veículo que viajavam, um Fiat Palio e um Fiat Strada conduzido por José Oliveira dos Santos, residente na fazenda Correia, ele que também morreu na hora.

sepultamento das vítima do acidente na BA 411 em Salgadália - Foto- Raimundo Mascarenhas - 4

Multidão se despediu na igreja onde foram colocados os caixões | Foto: Raimundo Mascarenhas

Os corpos ficaram na Igreja Assembleia de Deus onde congregavam desde o momento que chegaram do Departamento de Polícia Técnica – DPT na tarde de sábado, 03, até por volta das 10h45 de hoje quando saíram para o sepultamento. Sinara, 35 anos, e Sara Santos, 06, (esposa e filha de Jorge) que também estavam no Palio foram levadas para o Hospital, Sinara já recebeu alta e participou do sepultamento enquanto a menina ainda permanece internada em um hospital de Salvador.

Sinara amparada ao se aproximar do caixão do esposo Jorge | Foto: Raimundo Mascarenhas

Sinara amparada ao se aproximar do caixão do esposo Jorge (a sua esquerda) | Foto: Raimundo Mascarenhas

Autoridades políticas e religiosas participaram da despedida e ouviram dos pastores que o momento era de muita tristeza por terem perdido os ente queridos e fará muita falta, mas também consolavam quando afirmavam que Miguel, Jorge e Antônia “já se encontraram com Jesus no Paraíso e se perguntasse a eles se queriam voltar para terra eles diriam que não, pois, é um local onde não há sofrimento, não há tristeza”, afirmou um dos pastores.

Fagner (de azul) Francisco (de gravata) ao lado dos funcionários que foram de farda para homenagear Jorge

Fagner (de azul) Francisco (de gravata) ao lado dos funcionários que foram de farda para homenagear Jorge

O secretário da Industria e Comércio de Conceição do Coité, Francisco Apolônio, sofreu o que pode se chamar de ‘duro’ golpe, pois, perdeu um dos primeiros funcionários da sua empresa Plastsag, o supervisor Jorge Santana, e praticamente no mesmo instante que aconteceu o acidente, sua empresa começava a ser consumida pelo fogo.

O advogado Fagner Ferreira, filho de Francisco Apolônio e sócio da Plastsag esteve inconsolável, mas em nenhum momento lamentou o prejuízo que sofreram em decorrência do incêndio, seu sofrimento era pela perda dos amigos e de maneira especial Jorge Santana com quem tinha grande amizade e tinha como a história da empresa assim como sua família.”Ele quem iniciou tudo com meu pai, a gente tudo adolescente na vontade de crescer, é um patrimônio que a gente perde, já conversei com meu pai que ao reerguer as paredes e reconstruir a empresa vamos fazer a homenagem colocando o nome dele”, afirmou emocionado Fagner.

Funcionários da Plastsag sepultaram o corpo de Jorge

Funcionários da Plastsag sepultaram o corpo de Jorge

Informações dão conta que o corpo de José Oliveira dos Santos, foi velado da tarde de sábado até a manhã deste domingo na residência da família na Fazenda Correia de onde saiu para o sepultamento.

Morador lembra que maior tragédia em Coité também envolveu salgadenses

Caminhonete com pelo menos 9 pessoas cruzou a pista assim como está fazendo esse Gol quando foi atingida | Foto: Raimundo Mascarenhas

Caminhonete com pelo menos 9 pessoas cruzou a pista assim como está fazendo esse Gol quando foi atingida | Foto: Raimundo Mascarenhas

O registro de acidente mais grave no município de Conceição do Coité ocorreu em 27 de abril de 1979 e envolveu pessoas de Salgadália. Era uma manhã de sexta-feira, dia de feira livre na cidade quando uma caminhonete conduzia cerca de 9 pessoas para a sede do município atravessou a rodovia BA 409, conhecido como cruzamento do Boi na Brasa  no momento que passava um caminhão carregado de Sisal que havia saído de Valente sentido Salvador e atingiu em cheio.

Tragedia nunca foi esquecida pelo militar aposentado Reinaldo Saturnino que perdeu seu primeiro filho e a sogra.

Tragedia nunca foi esquecida pelo militar aposentado Reinaldo Saturnino que perdeu seu primeiro filho e a sogra.

O impacto foi tão violento que o caminhão capotou por completo ficando todas as rodas para cima e sobre carga de sisal. O motorista nada sofreu e acabou evadindo do local. Os passageiros da caminhonete muitos deles estava na carroceria e caíram sobre o asfalto se misturando com mercadoria de alguns passageiros, tipo vassoura e esteira que seriam comercializados na feira.

O CN encontrou neste domingo com o sargento PM aposentado Reinaldo Saturnino de Lima que perdeu na ocasião do acidente seu primeiro filho Rubinho de apenas 5 anos, que estava sendo levado por sua sogra Maria José Lopes da Silva, para um consulta médica.Ela também morreu juntamente com outras três pessoas, inclusive o motorista conhecido por “Pequeno”.

“Zamba” como é conhecido o militar da reserva, disse que no dia do acidente estava em serviço na cidade de Cansanção e foi avisado por um colega de trabalho.” Já se passou todo esse tempo, 37 anos e não tem um dia pra eu passar por lá e não lembrar. Guardo até hoje de recordação um chapéu que eu dei a meu filho”, contou.

Redação CN

 

 



COMENTÁRIOS

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores, desta forma não representa a opinião do Calila Noticias. Contamos com o bom senso e educação dos nossos internautas. O Calila Noticia, poderá remover sem aviso prévio qualquer comentário que seja considerado ofensivo e contenha palavras de baixo calão.