brasil

domingo, 11 de setembro de 2016 17:42

Temer afirma a jornal ser contra reajuste do Supremo

Conta adicional de R$ 5 bilhões pode gerar uma "cascata gravíssima", diz o presidente

Michel Temer - Foto: Divulgação

Michel Temer – Foto: Divulgação

O presidente Michel Temer, no posto há 11 dias após a conclusão do impeachment de Dilma Rousseff, afirmou que é contra o reajuste dos salários dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), em entrevista ao jornal O Globo. Não é momento adequado, segundo ele, para gerar uma conta adicional de R$ 5 bilhões e pode ocasionar uma “cascata gravíssima” uma vez que alcança todo o Judiciário, setores da administração e o Legislativo.

Sobre a situação da economia brasileira, Temer classificou como “extremamente preocupante” diante do déficit de R$ 170 bilhões e 12 milhões de desempregados. Afirmou, porém, que antes de recuperar a economia é preciso retomar a confiança. “Quando aprovarmos o teto do gasto, encaminharmos a reforma da Previdência e ela começar a processar no Congresso, o País vai crescer… Se cresce a confiança, cresce a arrecadação, cresce a estabilidade social”, disse o presidente, em entrevista à publicação.

De acordo com ele, essas medidas são polêmicas, mas, no fundo, são populares. Destacou que em nenhum momento disse que irá acabar com os direitos dos trabalhadores. Sobre a jornada intermitente, em que as pessoas passariam a trabalhar 12 horas por dia e não mais 8 horas, Temer disse que a mudança possibilitaria ao trabalhador ter outro emprego ou então ficar de folga três dias por semana.

Ele afirmou ainda que o governo não pensa em diminuir os gastos com Saúde e Educação e que as sugestões para a reforma da Previdência “amadureceram muito”, mas ainda não estão concluídas. O presidente deseja se reunir com líderes e centrais sindicais e, portanto, não espera que a aprovação venha “cedo”. “Duvido que se discuta se tiver segundo turno das eleições”, admitiu Temer, que acredita que vai conseguir a aprovação da reforma da previdência “com convencimento” e uma campanha de esclarecimento.

Na visão do presidente, foi um equívoco não ter feito o secretário-executivo do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), Moreira Franco, ministro no primeiro momento já que desde então ele exerce funções como se ocupasse o cargo e que a mudança seria necessária para ele ter acesso ao sistema de comunicação do governo. Sobre o programa de concessões, disse que não sabe como será o pacote previsto para ser anunciado essa semana. “O que for possível, concederemos. Sem preconceitos. O que precisa acabar no Brasil é o preconceito”, ressaltou ele.

Depois de minimizar os protestos contra o seu governo, Temer disse que vê os movimentos “com naturalidade”. Afirmou ainda que o “golpe não pegou” e que a eleição contou com o apoio do PMDB.

Voltou a reforçar que não considera ser candidato à presidência em 2018, mas que não assinaria um compromisso público “porque todo mundo que assina não cumpre”.

Sobre o processo no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em relação a supostos crimes na eleição de 2014, Temer disse que não participou das arrecadações e que caso a chapa seja condenada e, consequentemente, cassada, usará todos os recursos. Disse também que não considera incoerente do ponto de vista do eleitor o voto ser em uma chapa única e do ponto de vista do julgamento das contas, haver separação. Ele não espera constrangimento de uma eventual delação do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha e informou que não foi procurado pelo peemedebista nos últimos dias embora falasse muito com ele.

Informações Estadão Conteúdo



COMENTÁRIOS

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores, desta forma não representa a opinião do Calila Noticias. Contamos com o bom senso e educação dos nossos internautas. O Calila Noticia, poderá remover sem aviso prévio qualquer comentário que seja considerado ofensivo e contenha palavras de baixo calão.