colunas

domingo, 16 de outubro de 2016 14:14

A PEC da maldade – Ivo Gomes

O atual governo defende esse congelamento seletivo de gastos, apenas para beneficiar uma elite econômica e social que não quer pagar imposto e sustentar programas como FIES, PROUNI, Bolsa Família, Minha Casa Minha Vida etc.

Está tramitando no Congresso Nacional a Proposta de Emenda à Constituição – PEC nº 241/2016 que visa congelar, por 20 (vinte) anos, gastos do Governo Federal em vários setores, inclusive em áreas estratégicas como saúde, educação e programas sociais.

De fato, nenhum orçamento público suporta gastança exagerada, mas a tal PEC da “maldade” visa congelar gastos justamente naquelas áreas estratégicas, criando as condições para a implementação de um projeto de governo que só irá favorecer quem não suporta a ideia de pagar imposto pra custear programas de inclusão social.

Em economia, há vários pontos de vista: uns preferem um Estado forte e que atue na correção das desigualdades; outros já preferem um Estado mínimo, cabendo ao mercado e à sociedade as responsabilidades pela resolução dos seus próprios problemas.

Na política, os que são de esquerda defendem aquele primeiro modelo, os de direita o segundo. Todos os dois modelos têm suas vantagens e desvantagens, vai depender de onde estamos.

Ser de direita não é nenhum absurdo, principalmente quando se trata de alguém que viva em países como a Suíça, por exemplo. Por lá, a população tem um dos melhores índices de desenvolvimento humano (IDH) do mundo, todos tem acesso aos melhores serviços essenciais, públicos ou privados. Portanto, num país onde o Estado não precisa tanto corrigir desigualdades históricas, fica bem mais fácil sustentar certos argumentos favoráveis à redução/congelamento de gastos com serviços essenciais. Mas estamos falando é de Brasil.

Por aqui, há pouco tempo, muita gente passava FOME e, até hoje, enfrentamos problemas como desigualdade social, violência, educação e saúde sem qualidade. Reduzir o Estado a mero coadjuvante é, necessariamente, contribuir para a piora do nosso quadro social.

Como não sou suíço, sou brasileiro, quero ver os problemas sociais do país resolvidos, o que só ocorrerá com o protagonismo do Estado, corrigindo distorções e viabilizando aos mais pobres chances de ascensão social. Não vejo como a aprovação de uma PEC que propõe o congelamento de gastos sociais pode ser instrumento de melhora dos indicadores sócio-econômicos do país.

O atual governo defende esse congelamento seletivo de gastos, apenas para beneficiar uma elite econômica e social que não quer pagar imposto e sustentar programas como FIES, PROUNI, Bolsa Família, Minha Casa Minha Vida etc.

Como disse o deputado Nelson Marquezelli (PTB-SP), da base do governo Temer, “Se não tem dinheiro, não faz faculdade. Vai estudar na USP”. É o pensamento típico das elites brasileiras…

Lamento por aqueles que bateram panela para tirar uma presidente bem intencionada moral e politicamente. Para nosso azar, em seu lugar, retornaram, de forma ilegítima, as velhas raposas da política. Agora, vamos ter que aguentar, juntos… Pelo menos até 2018.



COMENTÁRIOS

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores, desta forma não representa a opinião do Calila Noticias. Contamos com o bom senso e educação dos nossos internautas. O Calila Noticia, poderá remover sem aviso prévio qualquer comentário que seja considerado ofensivo e contenha palavras de baixo calão.