colunas

sexta-feira, 18 de novembro de 2016 15:41

A população negra – Dom Itamar Vian

Uma nação só será socialmente justa quando todos seus habitantes forem tratados com igualdade.

A lei 10.639, sancionada pelo Presidente da República em 2003, estabeleceu o Dia Nacional da Consciência Negra, comemorado em 20 de novembro, como data oficial do calendário escolar no Brasil. A data, celebrada há décadas em nosso país, faz memória ao grande líder negro, Zumbi dos Palmares, morto nesse dia, em 1695.

O Dia Nacional da Consciência Negra nos remete, por um lado, a um passado que nos envergonha, pois traz à memória toda a atrocidade que significou a escravidão em nosso país e o fim trágico de muitos que a ela se opunham, como o líder Zumbi. Por outro lado, 20 de novembro é a prova concreta de que a vitória se faz com perseverança e tenacidade.

Felizmente, houve pessoas de bom senso que gritaram contra a cruel e desumana escravidão. Felizmente, dentro da própria comunidade negra, surgiram heróis, como Zumbi, que decidiram acabar com aquele horror, ainda que com isso tivessem de pagar com a própria vida. (O nome Zumbi significa “a força do espírito presente”, atestando sua coragem e capacidade de organização e comando).

A população negra necessita, quer e merece um lugar ao sol no coração da sociedade que ela ajudou e continua ajudando a construir. Não se trata de uma concessão paternalista, mas de uma construção onde as pessoas, no espírito de comunhão e participação, promovem a superação do racismo, da discriminação racial e a intolerância religiosa. É, também, necessário favorecer o diálogo inter-religioso, a conquista de políticas públicas e o resgate da verdadeira história com seus heróis e heroínas.

Uma nação só será socialmente justa quando todos seus habitantes forem tratados com igualdade. Isso significa garantir os mesmos direitos a todos e oferecer idênticas possibilidades de acesso à educação, à saúde, ao emprego, à vida digna e com qualidade. Entre  o ideal e a prática, porém, há uma grande distância.

O Papa João Paulo II, na sua visita ao Brasil, em 1997 disse: “Estes brasileiros de origem africana, merecem, tem direito e podem, com razão pedir e esperar o máximo respeito aos traços fundamentais da sua cultura”. Respeito é um desafio que nos interpela para viver o verdadeiro amor de Deus e ao próximo. E até que não tomemos todos consciência de que os seres humanos de todas as raças, são iguais em direitos, deveres e dignidade, celebremos o Dia da Consciência Negra.

Itamar Vian –Arcebispo Emérito

[email protected]

 



COMENTÁRIOS

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores, desta forma não representa a opinião do Calila Noticias. Contamos com o bom senso e educação dos nossos internautas. O Calila Noticia, poderá remover sem aviso prévio qualquer comentário que seja considerado ofensivo e contenha palavras de baixo calão.