brasil

sexta-feira, 18 de novembro de 2016 15:45

Família diz que médicos retiraram rim errado de menina de 7 anos

Unidade médica nega erro e diz que rim foi retirado por necessidade.

Caso teria ocorrido no Hospital do Oeste, no município de Barreiras.

Caso teria ocorrido no Hospital do Oeste, no município de Barreiras.

Familiares de uma menina de 7 anos, no município de Luís Eduardo Magalhães, no oeste do estado, acusam médicos de terem retirado o rim direito da criança, quando o procedimento médico previsto era a remoção de cálculos no rim esquerdo.

Os tios contam que descobriram que a menina estava com cálculo renal, popularmente conhecido como ‘pedra no rim’, em junho de 2015. Eles afirmam que ela passou por tratamento, mas ainda faltava uma cirurgia. A pequena Clara Munique dos Reis Conceição precisava tirar duas pedras do rim esquerdo. Ela foi operada no mês de outubro, no Hospital do Oeste, em Barreiras. Depois do procedimento, a família diz que teve uma surpresa.

“Em vez do doutor mexer do lado esquerdo, onde estavam as pedras, ele foi lá e mexeu no direito. Arrancou o rim da menina sem autorização da família”, conta Gessivânia Damasceno dos Reis, que é tia da criança.

Ela acrescenta que o médico e o hospital não mostraram o rim que foi retirado e que a família não teve acesso ao laudo médico. “Depois da cirurgia, ele [o médico] falou: eu tirei o rim direito, porque quando eu fui mexer no rim deu sangramento”, contou.

A família detalha que uma semana depois de ser operada, Clara piorou e teve que ser transferida para o Hospital Estadual da Criança, em Feira de Santana. Sem respostas para o que aconteceu, os parentes procuraram o Conselho Tutelar de Luís Eduardo Magalhães.

“Assim que chegou ao conhecimento do Conselho, a gente encaminhou de imediato para o Ministério Público, para que possa tomar as medidas cabíveis no caso. É um caso grave e precisa de uma solução”, diz a presidente do Conselho Tutelar, Celma Bento.

O Ministério Público da Bahia (MP-BA) já pediu ao Hospital do Oeste o laudo da cirurgia e espera que o documento seja enviado ao órgão até a próxima semana. Os parentes contam que a criança segue internada no Hospital Estadual da Criança, em Feira de Santana, em estado estável, e precisa com urgência de uma cirurgia para a retirada das “pedras no rim” esquerdo. Ela está aguardando uma vaga na rede pública de saúde em Salvador. “Ela continua com as pedras no rim e sofrendo muito com esse dreno. A gente está correndo atrás. Todo mundo triste”, afirma o tia da criança, Gildeon Lima.

Em nota, a direção do Hospital do Oeste disse que o problema da menina afetava os dois rins e que o rim direito precisou ser retirado porque apresentou uma complicação que poderia levar a menina à morte durante a operação. O hospital nega que a família não teve acesso aos laudos e afirma que está passando todas a informações que foram pedidas pelo Ministério Público.

G1.com



COMENTÁRIOS

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores, desta forma não representa a opinião do Calila Noticias. Contamos com o bom senso e educação dos nossos internautas. O Calila Noticia, poderá remover sem aviso prévio qualquer comentário que seja considerado ofensivo e contenha palavras de baixo calão.

%d blogueiros gostam disto: