brasil

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017 14:38

MPF-RJ pede pena superior a 40 anos de prisão para Eike Batista e Sérgio Cabral

Denúncia cita dois pagamentos do empresário – de US$ 16,5 milhões e de R$ 1 milhão – para pessoas ligadas ao ex-governador.

Foto: GazetaWeb

O Ministério Público Federal (MPF) no Rio de Janeiro denunciou, nesta sexta-feira (10), o ex-governador do Rio Sérgio Cabral, o empresário Eike Batista e mais sete pessoas (veja abaixo a lista completa). Segundo os procuradores, a pena de Eike pode chegar a 44 anos e a de Cabral a 50, caso eles sejam condenados em todos crimes que respondem. A legislação brasileira, porém, limita o cumprimento de pena a 30 anos.

Eike é acusado de cometer dois crimes de corrupção ativa e um de lavagem de dinheiro. Já Cabral foi denunciado por dois atos de corrupção passiva, dois de lavagem de dinheiro, além de um de evasão de divisas.

Agora, a Justiça vai decidir se os denunciados viram réus por esses crimes. Eike já responde a processos por crimes financeiros. Cabral já é réu pela Lava Jato.

Denunciados pelo MPF
Sérgio Cabral, ex-governador do Rio: corrupção passiva, lavagem de dinheiro e evasão de divisas
Adriana Ancelmo, mulher de Cabral: corrupção passiva e lavagem de dinheiro
Wilson Carlos, ex-secretário de Governo: corrupção passiva e lavagem de dinheiro
Carlos Miranda, suspeito de ser operador do esquema : corrupção passiva e lavagem de dinheiro
Eike Batista, empresário: corrupção ativa e lavagem de dinheiro
Flávio Godinho, ex-sócio de Eike: corrupção ativa e lavagem de dinheiro
Luiz Arthur Andrade Correia: lavagem de dinheiro
Renato Chebar, operador financeiro: lavagem de dinheiro e evasão de divisas
Marcelo Chebar, operador financeiro: lavagem de dinheiro e evasão de divisas

Na última quarta (8), a Polícia Federal tinha indiciado 12 pessoas na Operação Eficiência. Mas nem todas elas foram denunciadas pelo MPF. Entre as que ficaram de fora, estão os operadores Luiz Carlos Bezerra e Sérgio de Castro Oliveira, a ex-mulher de Cabral, Susana Neves Cabral, e o irmão de Cabral, Mauricio de Oliveira Cabral Santos.
As investigações continuam e mais pessoas ou crimes ainda podem ser denunciados pelo MPF.

O que diz a denúncia
O MPF investiga dois pagamentos suspeitos feitos por Eike Batista ao ex-governador. O primeiro deles, de US$ 16,5 milhões, se refere a um contrato falso de intermediação da compra de uma mina de ouro. Outro, revelado nesta sexta, seria de R$ 1 milhão a ex-primeira dama e mulher de Sérgio Cabral, Adriana Ancelmo. O escritório de advocacia dela teria recebido a propina numa simulação de prestação de serviços através da EBX, uma das empresas do conglomerado do empresário.
De acordo com os procuradores, ainda não é possível dizer quais negócios de Eike foram favorecidos por causa dos repasses ao grupo do ex-governador.

O pagamento a Adriana Ancelmo foi feito por meio de transferência bancária. Segundo os investigadores, advogados que trabalhavam no escritório dela há anos disseram que jamais haviam prestado serviço para a empresa de Eike.

Em operação de busca e apreensão no escritório, também não foram encontrados documentos relativos à EBX, segundo o Ministério Público Federal do Rio.

G1.com



COMENTÁRIOS

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores, desta forma não representa a opinião do Calila Noticias. Contamos com o bom senso e educação dos nossos internautas. O Calila Noticia, poderá remover sem aviso prévio qualquer comentário que seja considerado ofensivo e contenha palavras de baixo calão.