colunas

segunda-feira, 11 de setembro de 2017 15:58

Saúde e Beleza – Dom Itamar Vian

Beleza física, saúde e simpatia, são valores. Não os únicos. Um dia Brigitte Bardot disse: “A gente passa cinqüenta anos cuidando do corpo e, de repente, ele apodrece”.

A cirurgia plástica é um dos ramos da medicina mais em evidência. Surgiu como necessidade, sobretudo, diante de mutilações causadas por guerras,  acidentes e  queimaduras. Hoje, atua, principalmente, no cultivo da vaidade humana.

Na literatura e no folclore brasileiros ficou conhecida a posição de Vinícius de Morais, o criador da “Garota de Ipanema”. Uma frase sua fez furor: “Que me perdoem as feias, mas beleza é fundamental”. Hoje, sobretudo, beleza e juventude são idolatradas. E a grande angústia é que nem uma, nem outra, é definitiva. O tempo é um algoz implacável.

A sociedade, hoje, diviniza o corpo. E isto, em princípio, é saudável. Saúde, beleza e simpatia são valores e devem ser cultivados. No entanto, existe enorme diferença entre beleza e simpatia. Existe enorme diferença entre um corpo tratado e um corpo produzido, com excesso de malhação, com regimes prejudiciais à saúde ou com cirurgia plásticas. Por vezes, é uma ilusão porque o bisturi pode dar um jeito no corpo, mas não consegue reparar a alma.

Anadyr Rodrigues chegou a desabafar: “Tenho direito de ser feia!”. O que ninguém tem o direito é de ser antipático. A beleza é um valor, mas não o supremo valor. O próprio Evangelho lembra a obrigação de amar a si mesmo. Isto significa aceitar-se, gostar de si mesmo, valorizar-se. Há valores que devem vir em primeiro lugar.

Na História da família real inglesa ficou célebre a atitude do rei Eduardo VIII, que renunciou ao trono para casar com a plebéia norte-americana Wallis Simpson. Ela não foi nenhum padrão de beleza clássica, mas teve um poder de sedução que levou seu amado a trocar o trono da Inglaterra por seu amor. Ninguém dirá, hoje, que a irmã Dulce e Tereza de Calcutá foram mulheres belas. Foram muito mais que belas, foram fascinantes. Elas não precisaram da beleza para serem amadas e admiradas. Eram simpáticas.

Beleza física, saúde e simpatia, são valores. Não os únicos. Um dia Brigitte Bardot disse: “A gente passa cinqüenta anos cuidando do corpo e, de repente, ele apodrece”. O que dá significado a uma vida é a capacidade de servir e de fazer felizes os outros. É a capacidade de continuar jovem, mesmo aos oitenta anos. É a capacidade de manter o entusiasmo e proclamar que vale a pena viver imitando Jesus Cristo que passou a sua vida fazendo o bem a todos.

Dom Itamar Vian

Arcebispo Emérito

[email protected]

 



COMENTÁRIOS

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores, desta forma não representa a opinião do Calila Noticias. Contamos com o bom senso e educação dos nossos internautas. O Calila Noticia, poderá remover sem aviso prévio qualquer comentário que seja considerado ofensivo e contenha palavras de baixo calão.

  • + LIDAS