brasil

terça-feira, 27 de fevereiro de 2018 23:00

Correios vão cobrar taxa extra para entregas no Rio devido à violência

Custo adicional de R$ 3 poderá ser cancelado caso 'violência seja controlada'.

Caminhão dos Correios saqueado em comunidade (Foto: Reprodução/TV Globo)

Os Correios passarão a cobrar, a partir do dia 6 de março, R$ 3 a mais por entregas na Cidade do Rio de Janeiro. A estatal justifica a medida com base no aumento das violência no município. A taxa extra poderá ser cancelada a qualquer momento, “desde que a situação de violência seja controlada”, acrescentou a empresa.

Em nota, a empresa informou que a “violência [no Rio] chegou a níveis extremos e o custo para entrega de mercadorias nessa localidade sofreu altíssimo impacto, dadas as medidas necessárias para manutenção da integridade dos empregados, das encomendas e até das unidades dos Correios”.

O texto enviado pela instituição é também uma resposta a campanha promovida pelo Mercado Livre que fala do reajuste nas taxas de entregas. A estatal rebate informação de que o reajuste seria de “até 51% no frete dos produtos a todos que compram e vendem pela internet”.

A empresa pública esclarece que a cobrança a mais deve ser em torno de “8% para os objetos postados entre capitais e nos âmbitos local e estadual, que representam a grande maioria das postagens realizadas nos Correios”.

“Trata-se de uma revisão anual, a exemplo do previsto em contrato. A definição dos preços é sempre baseada no aumento dos custos relacionados à prestação dos serviços, que considera gastos com transporte, pagamento de pessoal, aluguéis de imóveis, combustível, contratação de recursos para segurança, entre outros”, justifica os Correios.

G1



COMENTÁRIOS

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores, desta forma não representa a opinião do Calila Noticias. Contamos com o bom senso e educação dos nossos internautas. O Calila Noticia, poderá remover sem aviso prévio qualquer comentário que seja considerado ofensivo e contenha palavras de baixo calão.