esporte

sexta-feira, 06 de julho de 2018 09:29

Torcida intensa, bebida e comida: Copa também é risco para o coração

Médicos alertam para perigos que excessos durante os jogos do Brasil podem representar para quem tem problemas cardiovasculares

Estresse emocional prolongado pode ser prejudicial para quem sofre do coração

Assistir aos jogos do Brasil na Copa do Mundo é uma emoção que pode se tornar perigosa para algumas pessoas. Uma partida muito disputada e difícil de ter um desfecho, por exemplo, costuma deixar muita gente com o nível de estresse elevado: um sinal amarelo para quem sofre do coração.

No primeiro jogo do mata-mata da Copa da Rússia, a seleção brasileira passou sem precisar ir aos pênaltis, o que foi positivo para o coração de milhares de torcedores. Mas a possibilidade ainda existe nesta sexta-feira (6), contra a Bélgica, e em outros dois jogos, caso continue vencendo.

“Jogos de Copa do Mundo estão associados ao aumento da ocorrência de IAM [infarto agudo do miocárdio] entre brasileiros, que varia entre 4% e 8%”, diz um estudo USP (Universidade de São Paulo) de Ribeirão Preto, divulgado em 2014, com dados coletados entre 1998 e 2010.

Na Inglaterra, diversos torcedores relataram que seus relógios inteligentes registraram mais de 120 batimentos cardíacos por minuto durante a cobrança dos pênaltis contra a Colômbia, na terça-feira (3).

“Grandes emoções podem causar aumento da frequência cardíaca e pressão arterial e até em casos especiais desencadear um infarto ou um AVC [acidente vascular cerebral]”, observa o presidente do Incor (Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP), professor doutor Roberto Kalil Filho.

Publicidade

No campo, o técnico colombiano, José Pékerman, de 69 anos, cobriu os olhos na hora dos pênaltis, demonstrando claro nervosismo. Diante das imagens, o presidente da Fundação Cardiológica Argentina, Jorge Eduardo Tartaglione, chegou a sugerir em entrevista ao jornal Clarín que fossem extintas as definições por pênaltis “pelo alto risco de infarto”.

O coordenador do Centro de Treinamento da SBC (Sociedade Brasileira de Cardiologia), Sergio Timerman, acrescenta que o aumento dos batimentos cardíacos devido ao estresse emocional não é o mesmo de uma atividade física e, portanto, não deve ser prolongado. “Para quem tem uma obstrução [de artéria], isso pode causar um infarto e até morte súbita”, observa.

O principal problema na opinião dele, é que milhões de brasileiros nem sequer sabem que têm problemas cardiovasculares. “É uma doença silenciosa”, diz.

O cardiologista Francisco Helfenstein, professor da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), explica que pessoas que já tenham sido diagnosticadas com problemas cardíacos devem evitar momentos cruciais da partida, caso se envolvam demais com o jogo.

“As recomendações universalmente são de que pacientes que tiveram um infarto recente, ou um AVC, pessoas que não têm a pressão sob controle ou que estejam com suspeita de problemas cardiovasculares e uma situação cardiológica ainda não esclarecida não assistam a uma partida mais disputada”, diz.

Pesquisadores britânicos estudaram a incidência de infarto agudo do miocárdio durante a partida em que a Inglaterra perdeu nos pênaltis para a Argentina na Copa da França, em 1998.

“Análises individuais do dia e dos dois dias após o jogo mostraram 55 internações extras por infarto do miocárdio em comparação com o número esperado”, relataram o os médicos, que analisaram dados de entradas dos hospitais ingleses.

Outra pesquisa, publicada no New England Journal of Medicine, analisou internações em Munique durante a Copa da Alemanha, em 2006, e concluiu que “ver um jogo de futebol estressante mais que dobra o risco de um evento cardiovascular agudo”.

Um comentarista da TV egípcia passou mal e morreu depois da transmissão da partida Egito x Arábia Saudita, no dia 26. Ele sofreu um ataque cardíaco.

Recomendações

“O nosso país está completamente centrado no intuito de que a seleção vá para a frente. Acaba sendo um momento de extravasar tensões. [A Copa] muda nosso cotidiano, às vezes, nossos horários, alimentação — quando o jogo foi de manhã, tinha gente fazendo churrasco às 9h… isso para quem já tem uma doença do coração é muito ruim”, diz Timerman.

No entanto, é possível acompanhar o jogo do Brasil sem colocar seu coração à prova. O cardiologista Roberto Kalil Filho explica que determinados comportamentos antes, durante e depois da partida podem aumentar ainda mais o risco de problemas cardiovasculares.

“Assistir a um jogo de futebol com uma multidão, abusando do álcool e cigarro horas antes e depois, evidentemente que o risco é maior”, diz.

Ele acrescenta como as principais recomendações se manter hidratado, ter uma alimentação leve, não abusar de álcool e cigarro, além de tomar todas as medicações, no caso de pessoas que tenham hipertensão, colesterol ou problemas do coração.

Os sintomas de um infarto podem variar de pessoa para pessoa, explica Helfenstein, mas normalmente incluem dor ou desconforto no peito, sensações de problemas no estômago, mal-estar, suor e falta de ar. Os sinais mais claros incluem formigamento e irradiação da dor para os braços e mandíbula.

“Muitas vezes, a pessoa não procura atendimento médico e acha que é passageiro”, acrescenta o cardiologista Kalil Filho, lembrando que em casos assim, quanto antes o paciente chegar ao hospital, menor o risco de morte.

R7



COMENTÁRIOS

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores, desta forma não representa a opinião do Calila Noticias. Contamos com o bom senso e educação dos nossos internautas. O Calila Noticia, poderá remover sem aviso prévio qualquer comentário que seja considerado ofensivo e contenha palavras de baixo calão.