politica

quinta-feira, 25 de outubro de 2018 11:06

Rejeição a Doria ‘contamina’ Bolsonaro em SP; diz colunista

Haddad avançou e supera Bolsonaro na cidade de São Paulo no 2º turno, quando Doria passou a explorar proximidade com o candidato do PSL.

Doria declara apoio a Bolsonaro após confirmada a sua presença no 2º turno — Foto: Fábio Tito/G1

Segundo a colunista Julia Duailibi que é comentarista política e da GloboNews, o “Bolsodoria”, voto casado em Jair Bolsonaro (PSL), para presidente, e João Doria (PSDB), para governador, tem pior desempenho entre os paulistanos do que entre os moradores do interior de São Paulo. Na capital paulista, Fernando Haddad, do PT, chega a estar numericamente à frente de Bolsonaro, enquanto Márcio França, candidato do PSB e adversário de Doria na disputa estadual, lidera com 18 pontos de vantagem em relação ao tucano. Já no interior do Estado, o Bolsodoria é líder.

Segundo a colunista Doria renunciou ao cargo de prefeito para disputar o governo do estado pouco mais de um ano depois de assumir, em 2017, mesmo tendo se comprometido a ficar na prefeitura até o fim do mandato. As pesquisas qualitativas apontam a saída como um dos principais fatores da rejeição do paulistano a ele (48% dos eleitores da capital dizem que não votam nele contra 25% dos do interior, segundo o Ibope).

Ibope para presidente, votos válidos: Bolsonaro 57%, Haddad, 43%
Ibope em São Paulo, votos válidos: Doria 53%, França, 47%

As dificuldades na capital podem ter contribuído para contaminar o desempenho de Bolsonaro na cidade, já que no 2º turno Doria passou a divulgar com maior intensidade nas redes sociais, em debates e no horário eleitoral no rádio e na TV a dobradinha extraoficial entre os dois.

Na cidade de São Paulo, Haddad avançou em relação ao 1º turno e tem 51% da intenção de voto contra 49% de Bolsonaro, de acordo com o Ibope. No primeiro turno, Haddad perdeu para Bolsonaro. Teve 19,7% dos votos dos paulistanos, contra 44,58% de Bolsonaro. Na eleição de 2014, a capital paulista deu larga a vitória para os tucanos. Aécio Neves venceu com 63,85% dos votos contra 36,15% de Dilma Rousseff (PT). Haddad foi prefeito da capital entre 2012 e 2016, mas perdeu a reeleição no 1º turno para Doria e deixou o governo com baixa aprovação.

A resistência dos paulistanos a Doria faz com que seu desempenho seja mais frágil na cidade que governou até abril de 2018: tem 41% das intenções de voto contra 59% de França.

Já no interior paulista, onde está a maior parte do eleitorado do estado, Bolsonaro e Doria lideram com ampla vantagem. O candidato do PSL tem 71% dos votos válidos contra 29% de Haddad. O interior paulista era reduto inconteste dos tucanos – em 2014, Geraldo Alckmin (PSDB) ganhou em 644 das 645 cidades do estado.

Bolsonaro está na frente na disputa presidencial no conjunto estado de São Paulo, com 64% dos votos válidos (excluídos brancos e nulos) contra 36% de Haddad.

Desempenho parecido tem Doria, que lidera no interior com 60% dos votos contra 40% de França. Assim como Bolsonaro, Doria também está na frente na disputa no estado, com 53% contra 47% dos votos válidos.

A pesquisa mostra o tamanho do Bolsodoria, incentivado por Doria quando ele ainda estava no 1º turno e seu candidato, em tese, era Alckmin: 86% dos seus eleitores dizem que votam em Bolsonaro contra 14% em Haddad – não à toa, o candidato insiste em se colocar como parceiro do presidenciável do PSL no Estado.

Apesar disso, Bolsonaro não declarou apoio a Doria, desejando a ele apenas boa sorte, depois de uma tentativa infrutífera do tucano de conseguir uma declaração favorável a sua candidatura.

Já dos eleitores de França, 59% dizem que votam em Haddad e 41% em Bolsonaro.

G1



COMENTÁRIOS

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores, desta forma não representa a opinião do Calila Noticias. Contamos com o bom senso e educação dos nossos internautas. O Calila Noticia, poderá remover sem aviso prévio qualquer comentário que seja considerado ofensivo e contenha palavras de baixo calão.