fama

segunda-feira, 29 de outubro de 2018 15:05

U2 chama Bolsonaro de ‘Capitão Bossa Nova’ e diz que carnaval no Brasil vai virar parada militar

Show ocorreu em Belfast, na Irlanda. Personagem de Bono também criticou Donald Trump, presidente dos EUA, e Rodrigo Duterte, das Filipinas.

Personagem da banda U2, MacPhisto — Foto: Reprodução/Youtube

A banda U2 fez um show no domingo (28) em Belfast, na Irlanda. Em um dado momento da apresentação, um de seus personagens mais antigos, o MacPhisto, surge fazer críticas políticas. O personagem de Bono existe desde a década de 90 e, em outros tempos, já criticou George W. Bush. Desta vez, foi a vez de Donald Trump, presidente dos Estados Unidos, de Rodrigo Duterte, das Filipinas, e do recém-eleito no Brasil, Jair Bolsonaro.

“O que vocês estão olhando, Belfast? Vocês nunca viram um político antes?”, pergunta o personagem durante o show.

“Os demônios de MacPhisto estão tomando o poder ao redor do globo. Meu tipo de pessoa, como Donald, fazendo a América odiar de novo. Meu bonitão filipino, Rodrigo Duterte.”

“Mesmo hoje, nesse dia de eleição. Duzentos milhões de pessoas prestes a ter seu carnaval transformado numa parada militar por um homem chamado Capitão Bossa Nova. Bolsonaro, não esqueçam o nome. Muitos nomes, mas apenas um rosto. O meu.”

“Mac” vem de McDonalds, uma representação do capitalismo feita pela banda. “Phisto” vem de Mefistófiles, o demônio que faz o pacto com Fausto, da obra do escritor alemão Johann Wolfgang von Goethe. Fausto é um dos personagens mais complexos e conhecidos da literatura, que desiludido com o seu tempo, aceita o acordo com Mefistófiles.

O G1 confirmou a veracidade do vídeo com o autor, que estava presente no show na Irlanda. A autencidade também foi confirmada pela jornalista Fernanda D’Elboux Bottini. Ela trabalha para o site especializado “ATU2” e assistiu ao show no Brasil, por transmissão de sua rede de fãs.

“A gente transmite todos os shows simultaneamente, com ajuda da nossa rede de fãs da banda. E ontem eu estava escutando o show ao vivo. E eu escutei o discurso que ele fez na hora”, disse.

“MacPhisto fez muitas críticas no início do ano com o Trump, mas nunca tinha falado nada no Brasil até agora”.

O baixista o U2, Adam Charles Clayton, é casado com a advogada brasileira Mariana Teixeira De Carvalho. O empresário da banda, Guy Oseary, se casou recentemente com a modelo paranaense Michelle Alves.

Roger Waters

Foto: Mídia Ninja

Nos últimos shows pelo Brasil, Roger Waters, ex-integrante da banda Pink Floyde, também se manifestou politicamente contra Jair Bolsonaro.

Na sexta-feira (26), um dia antes do show de Waters em Curitiba, a Justiça Eleitoral do Paraná mandou advertir as produções de grandes eventos sobre a restrição de manifestações político-partidárias em Curitiba a partir das 22h de sábado por causa da legislação eleitoral brasileira.

A decisão, assinada pelo juiz eleitoral Douglas Peres, foi baseada em um pedido do Ministério Público Eleitoral (MPE) que citou especificamente o show do ex-Pink Floyd.

No pedido, o MPE pediu que todos os envolvidos no show, além do próprio Waters, fossem notificados sobre a proibição de exibir “dístico, hashtag ou qualquer outra conduta que configure propaganda de apoio ou de repúdio”.

Na decisão em que acata o pedido do MPE, o juiz explicou que, conforme a legislação eleitoral brasileira, qualquer manifestação eleitoral é permitida até as 22h do dia que antecede o pleito.

A coligação de Jair Bolsonaro (PSL) entrou com ação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) pedindo a inelegibilidade de Fernando Haddad (PT), com argumento de propaganda irregular em favor do petista durante shows de Roger Waters, ex-integrante da banda Pink Floyd, no Brasil.

Segundo a ação, o cantor realizou um “gigantesco show” em São Paulo, no qual veiculou no telão a mensagem “#ELE NÃO”, que se tornou “instrumento de campanha negativa contra o candidato Jair Bolsonaro”. Além disso, diz que houve manifestações políticas em shows em Brasília e Minas Gerais.

A ação pede que Haddad e a candidata a vice, Manuela D’Ávila (PCdoB), sejam declarados inelegíveis por oito anos. Neste domingo (29), o ministro Jorge Mussi, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), determinou que os produtores do show de Roger Waters, ex-integrante da banda Pink Floyd, no Brasil, apresentem suas defesas.



COMENTÁRIOS

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores, desta forma não representa a opinião do Calila Noticias. Contamos com o bom senso e educação dos nossos internautas. O Calila Noticia, poderá remover sem aviso prévio qualquer comentário que seja considerado ofensivo e contenha palavras de baixo calão.