conceicao-do-coite

segunda-feira, 06 de março de 2017 15:53

Comunidade do Maracujá, em Coité, celebra a I Semana da Afirmação Quilombola

Maracujá fica a cerca de 15 km da sede de Conceição do Coité e o acesso mais fácil é pela BA 120 sentido Riachão do Jacuípe e quinhentos metros depois do acesso ao povoado de Almas.

em 2014 a comunidade recebeu o certificado de Quilombola, porém na pratica, pouco foi feito | Foto: arquivo Raimundo Mascarenhas

O Quilombo Maracujá, no município de Conceição do Coité, Território do Sisal da Bahia, celebrará a primeira Semana da Afirmação Quilombola, de 07 a 11 de março de 2017, tendo em vista refletir as memórias, lutas e resistências. E, assim, despertar o sentimento de pertencimento à cultura, ao espaço socioambiental e ancestral do quilombo. Suscitando, portanto, o empoderamento e a cidadania do sujeito na Comunidade.

Como o lema “As Lutas de Dandara e Zumbi dos Palmares pela Promoção da Igualdade Racial”, a abertura da Programação está prevista para começar às 18h, desta terça-feira, dia 07, na referida Comunidade, com apresentações culturais locais e convidadas; exposição da filosofia do Projeto Quilombo do Maracujá: Memória, Luta e Resistência, pela Coordenação Pedagógica;  Cinema Maracujá (vídeo documentário sobre o Quilombo); Mesa com representações institucionais, parcerias e autoridades importantes. Seguido de Introdução do ciclo de seminários.

Fábio ao lado do prefeito, fez a entrega do certificado a duas moradoras com mais de 90 anos. Foto; arquivo Raimundo Mascarenhas

A Semana da Afirmação Quilombola do Maracujá, além de uma qualificada coordenação pedagógica, conta com uma equipe interdisciplinar e multidisciplinar de conferencistas e organizadores: Filósofo, antropóloga, comunicóloga, assistente social, historiador, pedagoga, militante social. O juiz de Direito da Comarca de Conceição do Coité, Gerivaldo Neiva será um dos palestrantes.

Ainda integra a programação: exposições artísticas, a exemplo das telas de Pepeu Ramos, oficinas de maquiagem, oficina de turbante, desfile da beleza negra, Caminhada Quilombola, intervenções culturais, memórias, proposições para encaminhamentos (extraídas dos seminários) e, por fim, Sarau do Maracujá, no dia 11 (sábado), com artistas e grupos culturais locais e convidados.

Hélio do Povo, orgulho de ser negro, feliz por ser Quilombola. Mas ainda espera os benefícios para comunidade

A Semana supracitada é a culminância do Projeto Maracujá: Memória, Luta e Resistência, que é vencedor do Edital Novembro Negro 2016, da Secretaria de Promoção da Igualdade Racial – SEPROMI, do Governo do Estado da Bahia, tendo como proponente e órgão executor a Associação dos Moradores do Maracujá e Região. A Prefeitura Municipal de Conceição do Coité, através do DECULT (Departamento de Cultura), da Secretaria de Educação, Cultura e Esporte, está parceira desta iniciativa.

Hélio de Oliveira Silva, conhecido como Hélio do Povo, atual presidente da Associação, que é proponente do Projeto, advertiu: “A Comunidade foi certificada, em 2014, como quilombola, mas pouca coisa, de lá pra cá, aconteceu em conquistas sociais em prol do povo do Maracujá. Acredito que mais do que um certificado na parede, é hora de despertar e conquistar políticas públicas pra comunidade, que ainda se encontra excluída, em muitas situações. Com esse Projeto, em parceria com o DECULT, a gente vai dar um importante salto: Vai ser o “pulo do gato”, no que diz respeito à inclusão social e valorização de nossa gente”. Declarou, o jovem Hélio do Povo.

Para Bruna Bessa, integrante da concepção e coordenação pedagógica do Projeto, “aceitar-se quilombola, ou comungar dessa ideia como um direito humano, é necessária consciência cidadã. O Projeto nasce da necessidade de refletir, de despertar e/ou potencializar a política de afirmação da Comunidade do Maracujá, enquanto Território Quilombola”. Salientou, Bruna Bessa.

“O DECULT foi muito feliz na idealização e elaboração deste necessário Projeto, em parceria com a Associação do Maracujá. Também, além de celebrar o Plano de Trabalho, será gratificante propiciar à comunidade quilombola educação popular continuada e contextualizada, dentro de uma perspectiva sustentável e solidária”. Concluiu, Fredson Costa (gestor do DECULT e coordenador do Projeto).

Confira Programação Completa, em detalhes, da I Semana da Afirmação Quilombola do Maracujá, que é a culminância do Projeto:



COMENTÁRIOS

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores, desta forma não representa a opinião do Calila Noticias. Contamos com o bom senso e educação dos nossos internautas. O Calila Noticia, poderá remover sem aviso prévio qualquer comentário que seja considerado ofensivo e contenha palavras de baixo calão.